Diva mas sem Frescura

Não deixe que a carência escolha por você

Dia desses conversei com uma amiga queridíssima, que possui uma visão bem diferente da minha em uma série de questões, especialmente aquelas referentes aos temas: homens e vida amorosa. Essa amiga está solteira há mais de 2 anos e nessa noite o nosso ponto de convergência foi: a carência é uma péssima conselheira, esteja você solteira há muito ou pouco tempo.
 

Sabemos que início de vida de solteira quase sempre é aqueeeele oba oba. Um mundo de possibilidades se abre, vários contatinhos, muitas moças se tornam adeptas dos aplicativos de relacionamento e as que curtem balada se transformam nas rainhas do camarote. Mas bem, com o tempo a tendência é tudo isso cansar um pouco. As baladas são todas parecidas, as pessoas que frequentam são mais ou menos iguais (ok, essa parte pode ser culpa do meu astigmatismo) e os caras basicamente utilizam as mesmas táticas de guerra com todas nós. Enfim, chega uma hora que cansamos de ouvir as mesmas frases e, principalmente, cansamos de passar sempre pelas MESMAS FASES e situações com os ficantes até resolvermos cortar o vínculo.

Relações casuais e superficiais são ótimas e cumprem seu papel social, mas concordo que chega uma hora que queremos algo mais intenso. Queremos o combo maravilhoso e raro de nos interessarmos pelo corpinho e pela alma do moço na mesma intensidade. E é aí que mora o perigo, minhas amigas! Com certeza vocês já ouviram algo acerca de pessoas que se apaixonam pela ideia de estarem apaixonadas e não pelo amante em si. Pois bem, isso é muito verdade! Nessa ânsia de querer “viver algo”, nesse desespero para “ter um relacionamento”, corremos o risco de aceitar qualquer lixo radioativo que aparecer e ainda nos convencermos de que isso é o suficiente.
 

Quando estamos carentes, qualquer cangote cheiroso (ou não tão cheiroso) serve. Corremos o risco de suspirar e até sofrer por algum cara pelo qual JAMAAAAIS nos apaixonaríamos em condições normais de temperatura e pressão. Não estou dizendo que eu ou você não podemos nos apaixonar verdadeiramente por algum ~boy atípico~, mas o lance é que quando estamos muito carentes dificilmente é amor, quase sempre é cilada, parafraseando os pensadores modernos do grupo Molejo.

Vocês já assistiram ao filme “As vantagens de ser invisível”? Em dado momento, após quebrar a cara algumas vezes, a personagem da Emma Watson afirma que “aceitamos o amor que achamos merecer”. É exatamente isso. Muitas mulheres, depois de certo tempo solteiras, acabam aceitando relacionamentos terríveis por medo de ficarem sós ou por acharem que não irão encontrar “nada melhor” (esse pensamento é péssimo e absurdo, mas mais comum do que imaginamos). Então bem, não caia nessa armadilha! Nada de deixar que a carência escolha por você. Tenha plena consciência do valor intrínseco à sua existência e não aceite menos que uma pessoa maravilhosa, no mais amplo sentido da palavra. Todas nós merecemos o melhor, embora isso pareça um papo meio autoajuda.
 
Pra finalizar, compartilho com vocês o trecho de um livro que terminei recentemente e que se relaciona com o assunto:
 

“O amor nunca é melhor que o amante. Quem é mau, ama com maldade, o violento ama com violência, o fraco ama com fraqueza, gente estúpida com estupidez e o amor de uma pessoa livre nunca é seguro” O olho mais azul – Toni Morrison
 
Acrescentando: O carente ama com carência e o desesperado com desespero. Não é isso que queremos, não é mesmo?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

A arte de ser feliz sozinha

Vamos combinar aqui que só dependemos de nós mesmas para sermos felizes. É sempre bom ter alguém pra dividir a vida e viver bons momentos, mas enquanto essa pessoa não aparece, saber apreciar nossa própria companhia é fundamental.

 

Não somente no dia dos namorados, mas em todos os dias da sua vida, você merece ser feliz e se bastar. Por isso, vou compartilhar com vocês algumas dicas de como passo meu tempo sozinha e dicas do que podemos fazer pra mandar a solidão embora.

 

Então vamos às dicas:

 

Conheça uma banda nova ou que tal começar a leitura de um novo livro?

 

Se desligar da internet de vez em quando é libertador, tente passar um dia inteiro só com seus livros, músicas (Spotify ♥) ou que tal também escrever? Liberte a sua imaginação.

 


Tire um dia pra você, para se cuidar, que tal fazer um SPA caseiro?

 

Se arrume para você . Afinal, a gente não precisa esperar um encontro para se sentir bem e bonita. Hoje é o dia pra usar aquela roupa nova ou o batom que tá guardado para uma ocasião especial. Todo dia é um dis especial.

 

 


Faça maratona de séries/ filmes

 

A famosa Netflix tá aí pra nos ajudar nisso e há uma segunda opção, um app chamado stremio, que também tem muito conteúdo bacana (mas por enquanto só tem pra iOS e windows, android ainda não. E o melhor de tudo: é 0800)

 

 


Organize seu quarto

 

Tô longe de ser Marie Kondo, mas eu juro que não há coisa mais relaxante. Coloque aquela música que você adora e mão na massa. Organize suas gavetas, troque móveis de lugar caso tenha vontade, mude a decoração, etc… Use sua criatividade!

 


Faça um programa que nunca fez antes

 

Seja um ponto turístico da cidade ou ir ao cinema sozinha, ir a um restaurante novo que abriu ou até mesmo ir pra cozinha e pôr em prática seus dotes culinários, enfim… o que te der vontade, vai sem medo!

 

 

 

Por fim, quero dizer duas coisas que mudaram minha vida e minha forma de olhar para o cotidiano e me tornaram uma pessoa mais feliz e autoconfiante:

 

1- Se respeite 100% e não aceite nada menos que isso de outras pessoas.
2- Se abra para novas oportunidades e se entregue ao máximo a cada uma delas. No ruim, você terá mais uma experiência pra conta e o aprendizado.

 

 

Sem mais delongas, se ame, se perdoe, sonhe grande e viva intensamente! A vida passa num piscar de olhos.

ESCRITO POR

Jessica Ribeiro

DEIXE UM COMENTÁRIO

0