Diva mas sem Frescura

Manual prático de como lidar com gente insuportável sem pirar

Entre minhas amigas rola a teoria de que em TODO AMBIENTE, não importa se é no trabalho, na faculdade, no cursinho, na academia ou na sua família: SEMPRE HAVERÁ UMA PESSOA INSUPORTÁVEL COM A QUAL VOCÊ DEVERÁ LIDAR. Caso você não identifique essa pessoa, sinto lhe dizer que provavelmente esse alguém insuportável é você.
 
Pois bem, como concordo e sinto na minha pele hidratada essa teoria, quero compartilhar com vocês algumas dicas que costumam ajudar:
 
Ignorar

Por se tratar de solução pacífica, indolor e que não gera consequências na esfera penal, essa é sempre uma boa opção. Quando a pessoa insuportável vier lhe perturbar, tente responder de forma calma, racional e buscando ignorar possíveis provocações. Respire fundo e apenas ignore.

Sorria e acene

A filosofia dos pinguins de Madagascar é uma boa saída para lidar com aquele tiozão que faz piada do “é pavê ou pacumê” e com gente que vem te perturbar na quinta-feira de manhã após o Flamengo perder na noite de quarta. Esse tópico é pra ser utilizado com aquela pessoa que é um insuportável do bem. Em outras palavras, aquele ser humano que, apesar de sem noção e insuportável, aparentemente possui um bom coração.
 
Se a pessoa bancar a louca, banque a louca em dobro

Sou adepta da máxima “assombração sabe pra quem aparece” e, infelizmente, algumas situações pedem medidas extremas. Muita gente que se diz “temperamental” e “de personalidade forte” só é desagradável assim por que nunca apareceu uma boa alma para lhe dar o devido e merecido sacode (que não necessariamente envolve agressão física, por favor, não coloquem palavras em meu post. hahaha). Confesso que anos atrás, em uma galáxia distante, utilizei essa estratégia no calor do momento e funcionou MUITO BEM. A pessoa rapidinho baixou o tom e não foi necessário irmos todos para a delegacia mais próxima.

Respire fundo e mentalize mantras

Essa é para almas que estão em um estágio mais avançado de autocontrole. Vou exemplificar e vocês livre adaptam pra realidade que lhes cabem;
– Patrão ou colega de trabalho te irritando: “Preciso desse emprego e não posso arremessar objetos nesse ser, ó universo dai-me paciência”
– Colega de faculdade te tirando do sério: “Em alguns semestres nunca mais verei a cara desse ser humano, não vale o desgaste, respire profundamente”
 

Agora, falando sério um pouquinho, em “Histórias do Sr. Keuner”, Bertold Brecht relata histórias vividas pelo personagem que dá nome ao livro. Em uma delas, Brecht conta que o Sr. Keuner caminhava pelas calçadas de uma cidade de país inimigo. Um soldado, ao cruzar com ele, mandou que descesse para a rua e andasse pela lama, pois não era cidadão daquele país. Sr. Keuner obedeceu e naquele momento desejou que aquele soldado morresse, assim como toda a população daquele país. Mais tarde, recuperada a razão, Sr. keuner concluiu que quando cruzamos com idiotas, podemos facilmente nos tornarmos um. Então, o melhor é desviar.
 

Nem sempre iremos conseguir, mas não custa tentar! Quais estratégias vocês utilizam para lidar com os insuportáveis que lhes cabem?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Não deixe que a carência escolha por você

Dia desses conversei com uma amiga queridíssima, que possui uma visão bem diferente da minha em uma série de questões, especialmente aquelas referentes aos temas: homens e vida amorosa. Essa amiga está solteira há mais de 2 anos e nessa noite o nosso ponto de convergência foi: a carência é uma péssima conselheira, esteja você solteira há muito ou pouco tempo.
 

Sabemos que início de vida de solteira quase sempre é aqueeeele oba oba. Um mundo de possibilidades se abre, vários contatinhos, muitas moças se tornam adeptas dos aplicativos de relacionamento e as que curtem balada se transformam nas rainhas do camarote. Mas bem, com o tempo a tendência é tudo isso cansar um pouco. As baladas são todas parecidas, as pessoas que frequentam são mais ou menos iguais (ok, essa parte pode ser culpa do meu astigmatismo) e os caras basicamente utilizam as mesmas táticas de guerra com todas nós. Enfim, chega uma hora que cansamos de ouvir as mesmas frases e, principalmente, cansamos de passar sempre pelas MESMAS FASES e situações com os ficantes até resolvermos cortar o vínculo.

Relações casuais e superficiais são ótimas e cumprem seu papel social, mas concordo que chega uma hora que queremos algo mais intenso. Queremos o combo maravilhoso e raro de nos interessarmos pelo corpinho e pela alma do moço na mesma intensidade. E é aí que mora o perigo, minhas amigas! Com certeza vocês já ouviram algo acerca de pessoas que se apaixonam pela ideia de estarem apaixonadas e não pelo amante em si. Pois bem, isso é muito verdade! Nessa ânsia de querer “viver algo”, nesse desespero para “ter um relacionamento”, corremos o risco de aceitar qualquer lixo radioativo que aparecer e ainda nos convencermos de que isso é o suficiente.
 

Quando estamos carentes, qualquer cangote cheiroso (ou não tão cheiroso) serve. Corremos o risco de suspirar e até sofrer por algum cara pelo qual JAMAAAAIS nos apaixonaríamos em condições normais de temperatura e pressão. Não estou dizendo que eu ou você não podemos nos apaixonar verdadeiramente por algum ~boy atípico~, mas o lance é que quando estamos muito carentes dificilmente é amor, quase sempre é cilada, parafraseando os pensadores modernos do grupo Molejo.

Vocês já assistiram ao filme “As vantagens de ser invisível”? Em dado momento, após quebrar a cara algumas vezes, a personagem da Emma Watson afirma que “aceitamos o amor que achamos merecer”. É exatamente isso. Muitas mulheres, depois de certo tempo solteiras, acabam aceitando relacionamentos terríveis por medo de ficarem sós ou por acharem que não irão encontrar “nada melhor” (esse pensamento é péssimo e absurdo, mas mais comum do que imaginamos). Então bem, não caia nessa armadilha! Nada de deixar que a carência escolha por você. Tenha plena consciência do valor intrínseco à sua existência e não aceite menos que uma pessoa maravilhosa, no mais amplo sentido da palavra. Todas nós merecemos o melhor, embora isso pareça um papo meio autoajuda.
 
Pra finalizar, compartilho com vocês o trecho de um livro que terminei recentemente e que se relaciona com o assunto:
 

“O amor nunca é melhor que o amante. Quem é mau, ama com maldade, o violento ama com violência, o fraco ama com fraqueza, gente estúpida com estupidez e o amor de uma pessoa livre nunca é seguro” O olho mais azul – Toni Morrison
 
Acrescentando: O carente ama com carência e o desesperado com desespero. Não é isso que queremos, não é mesmo?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Vale a pena “salvar um relacionamento”?

“5 passos para salvar o casamento”
 
“Dicas para apimentar a relação”
 
“Como salvar um relacionamento desgastado”
 
“Blinde o seu casamento”

Quantas vezes vocês já viram esse tipo de matéria em revistas e sites voltados para o público feminino? (Muitas, aposto!)
 
E em revistas ou sites voltados para homens, vocês já encontraram esse tipo de postagem? (No meu caso, vi uma única vez)
 
Por que esse discurso de blindar ou salvar a relação é voltado majoritariamente para mulheres?

 

Dicas Bela Gil: Você pode substituir um marido ruim por um novo amor!

 

Não me agrada muito a ideia de lutar por um relacionamento, seja ele qual for, mas, se for o caso, é o tipo de coisa que exige que as duas partes envolvidas estejam igualmente dispostas a fazer algo. Infelizmente, o que vemos é uma enorme pressão social para que a mulher carregue tal tarefa sozinha. Quase toda a responsabilidade de conquistar e manter um relacionamento recai sobre nós. Esse discurso cruel é bem comum em determinados meios religiosos e mais conservadores, mas, infelizmente, vejo essa ideia também ser reproduzida por blogueiras, sites e revistas aparentemente modernas.

 

Há uma cultura que prega que estar em um relacionamento é muito mais valioso para a mulher do que para o homem, gerando as costumeiras brincadeiras que insinuam que o cara se casou obrigado ou pressionado pela mulher.(Pode parecer exagero a minha implicância, mas tenho PAVOR desses bonequinhos de casamento no qual o cara está amarrado pela noiva). Além disso, homem solteiro após os 40 é visto como livre e bon vivant, enquanto mulheres na mesma situação são consideradas fracassadas e mau amadas. Nossa sociedade considera o matrimônio uma vitória para a mulher e uma derrota para os homens. Essa crença, somada a tradicional culpabilização da mulher pelo fracasso do relacionamento, gera os famosos:

 
Foi traída? Vixi, com certeza o marido procurou na rua o que não tinha em casa (ai gente, francamente, melhorem…)
 
A relação esfriou? A mulher está muito desleixada. Ela que se vire pra apimentar a vida sexual mesmo que o bofe esteja 100% nem aí.
 
Muitas brigas? Ahhh, homem é assim mesmo. Cabe a mulher ser sábia e saber administrar (POUPE-ME!)
 

Óbvio que não quero fazer aqui uma ode ao fim dos relacionamentos e tratar algo tão importante de forma volúvel. Quero apenas que pensemos sobre as estruturas que pregam que as mulheres obrigatoriamente devem estar em um relacionamento para serem felizes. Quero, principalmente, que as mulheres saibam diferenciar um relacionamento saudável que vale a pena de um relacionamento abusivo ou ruim, ao qual você se prende por puro apego e medo do que os outros vão pensar.

 

Desconfio que dificilmente vocês verão aqui no blog os tipos de postagens expostos no início do texto, já que acreditamos que o esforço para fazer a relação dar certo ou “ser salva” é algo bilateral e não deve recair somente sobre as mulheres. No mais, se você precisa despender imenso esforço para manter um relacionamento, talvez o melhor seja se livrar dele. A relação deve ser leve e fácil a maior parte do tempo, se você passa mais tempo tentando salvar ou consertar do que sendo feliz, tá na hora de repensar isso aí.

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Os tipos de embustes do Tinder

Fui solicitada a falar dos tipos peculiares que habitam o Tinder e, por aqui, missão dada é missão cumprida! Estou há apenas 2 meses no aplicativo, mas acreditem: Já deu para sentir vergonha alheia e montar uma lista com os tipos de embustes. Vamos a eles:
 
O boy com síndrome do porteiro
 

Dá match, começa a rolar um papo, mas o cara simplesmente não fala sobre nada substancial. A interação se resume a bom dia, boa tarde e boa noite. DIARIAMENTE. Antes que você pense, “que insensibilidade, fofinho o cara mandar bom dia”, eu já respondo: não tem nada de fofo, até porque é certo que ele copia e cola essas mensagens vazias e genéricas e sai mandando para todas. Vamos valorizar assuntos e abordagens mais personalizadas, por favor. Se quiser até pode mandar bom dia/boa tarde/boa noite, mas que mande algo além disso também.

 
O atirador de elite não tão de elite
 

O cara tem o hábito de gravar áudios cantando músicas românticas ou tirar selfies que serão enviadas para todos os contatinhos. O problema é que às vezes ele se embola e confunde os textos que irão junto com o áudio ou foto. Nessa brincadeira já fui chamada de Carol, Ju e, no momento, aguardo ansiosa minha próxima alcunha. Ossos do ofício.
 
O embuste ostentação
 

Semana passada viralizou no twitter o print de um cidadão que colocou foto de seu contracheque no tinder. Esse felizmente não apareceu pra mim, mas é costumeiro surgir moços que fazem questão de escolherem fotos que visam transmitir certa condição social, principalmente fotos nas quais o destaque é seu carro. Acho patético e até meio triste a pessoa acreditar que aquilo é o melhor que ela pode oferecer e mostrar ao outro. Denota pobreza. Pobreza de espírito, sabe!?

 
Minha cara ouvindo o boa praça contar vantagem.
 
O moço do relacionamento aberto que esqueceu de avisar a namorada que o relacionamento é aberto
 

É bem comum aparecer perfis de casais que procuram uma terceira pessoa para um encontro e tudo bem, o importante é todo mundo estar de acordo e feliz. Mas há aquele moço que tem namorada e está no tinder como se fosse solteiro. Aí não dá! Uma amiga saiu durante um tempo com um cara e começou a achar estranho os horários e dias em que ele estava disponível para ela. Uma busca minuciosa nas redes sociais foi o suficiente para descobrir que o cara tinha namorada há bons anos. Olha que situação…
 
O embuste do “manda nudes”
 

Como diria o poeta, nudes não se pede, nudes se conquista. Não seja o chato-inconveniente-insuportável que mal fala “oi” e já está pedindo foto da guria pelada. Faça-me o favor, há regras. Eu particularmente não acho graça na prática e só entrego nudes pessoalmente, mas aí vai de cada uma, né. Na dúvida, não seja esse chato!

 
Quando me pedem nudes.
 
O que gosta de exibir a caneta BIC
 

Eu fui burra em associar minha conta no instagram ao tinder e sabem o que aconteceu? Isso mesmo, começou a chegar fotos não solicitadas de pintos no meu direct. Eu sinceramente não sei o que se passa na mente do cidadão que acha que estamos interessadas em receber fotos da genitália de desconhecidos. Mas agora, na dúvida, não abro mais o direct do instagram no trabalho e em locais públicos.

 
O pretensioso
 

Esse cruzou meu caminho há pouco e acho válido comentar. Mal rolou alguma coisa e o cidadão achou propício falar “olha, você é muito legal e tal, mas não quero namorar no momento”. Na hora respondi sorrindo e de forma leve que ele estava se superestimando e que definitivamente não seria o caso, mas depois, pensando melhor, fiquei indignada demais com essa fala do cidadão. Parto do pressuposto que ninguém está querendo namorar uma pessoa que acabou de conhecer, realmente não sei porque o moço sentiu necessidade de me alertar, como se ele fosse tão irresistível que eu inevitavelmente me apaixonaria. Obviamente não haverá mais encontros.

 


 
O desesperado
 

Na contramão do pretensioso, há o desesperado. O cara tenta forçar um sentimento que obviamente não existe, fazendo questão de mandar mensagens excessivamente melosas e falsamente apaixonadas logo após o primeiro encontro. Certamente ele manda essas mensagens para você e mais dez e provavelmente é um carente sem o menor equilíbrio emocional (e sem noção também).

 

E aí!? Já cruzaram com algum desses? Contem pra gente dos embustes do tinder que permeiam sua existência solteirística!

 

Quero registrar que, apesar dos tipos supracitados, o Tinder é uma ferramenta bem bacana e acaba ajudando gente como eu, que detesta ser abordada por desconhecidos em festas e bares e que gosta de saber as opiniões políticas e filosóficas do moço antes de dar uns beijos. Além do mais, conheço vários casais que estão aí super felizes e se conheceram nesses aplicativos de relacionamento. Não generalize, tenha filtro e com certeza sua experiencia com o aplicativo será boa. (Na pior das hipóteses será engraçada, GARANTO.)

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

4

A arte de ser feliz sozinha

Vamos combinar aqui que só dependemos de nós mesmas para sermos felizes. É sempre bom ter alguém pra dividir a vida e viver bons momentos, mas enquanto essa pessoa não aparece, saber apreciar nossa própria companhia é fundamental.

 

Não somente no dia dos namorados, mas em todos os dias da sua vida, você merece ser feliz e se bastar. Por isso, vou compartilhar com vocês algumas dicas de como passo meu tempo sozinha e dicas do que podemos fazer pra mandar a solidão embora.

 

Então vamos às dicas:

 

Conheça uma banda nova ou que tal começar a leitura de um novo livro?

 

Se desligar da internet de vez em quando é libertador, tente passar um dia inteiro só com seus livros, músicas (Spotify ♥) ou que tal também escrever? Liberte a sua imaginação.

 


Tire um dia pra você, para se cuidar, que tal fazer um SPA caseiro?

 

Se arrume para você . Afinal, a gente não precisa esperar um encontro para se sentir bem e bonita. Hoje é o dia pra usar aquela roupa nova ou o batom que tá guardado para uma ocasião especial. Todo dia é um dis especial.

 

 


Faça maratona de séries/ filmes

 

A famosa Netflix tá aí pra nos ajudar nisso e há uma segunda opção, um app chamado stremio, que também tem muito conteúdo bacana (mas por enquanto só tem pra iOS e windows, android ainda não. E o melhor de tudo: é 0800)

 

 


Organize seu quarto

 

Tô longe de ser Marie Kondo, mas eu juro que não há coisa mais relaxante. Coloque aquela música que você adora e mão na massa. Organize suas gavetas, troque móveis de lugar caso tenha vontade, mude a decoração, etc… Use sua criatividade!

 


Faça um programa que nunca fez antes

 

Seja um ponto turístico da cidade ou ir ao cinema sozinha, ir a um restaurante novo que abriu ou até mesmo ir pra cozinha e pôr em prática seus dotes culinários, enfim… o que te der vontade, vai sem medo!

 

 

 

Por fim, quero dizer duas coisas que mudaram minha vida e minha forma de olhar para o cotidiano e me tornaram uma pessoa mais feliz e autoconfiante:

 

1- Se respeite 100% e não aceite nada menos que isso de outras pessoas.
2- Se abra para novas oportunidades e se entregue ao máximo a cada uma delas. No ruim, você terá mais uma experiência pra conta e o aprendizado.

 

 

Sem mais delongas, se ame, se perdoe, sonhe grande e viva intensamente! A vida passa num piscar de olhos.

ESCRITO POR

Jessica Ribeiro

DEIXE UM COMENTÁRIO

0