Diva mas sem Frescura

Mulheres empreendedoras: Cris Ramos – Doces Artes

Seguimos na missão de apresentar mulheres empreendedoras para vocês e a girl power de hoje é a Cris Ramos. Ela tem 31 anos, nasceu em Volta Redonda e atualmente mora em Matias Barbosa. Ela arrasa na produção de doces atendendo a festas, dá cursos de confeitaria gourmet e contou pra nós um pouquinho acerca de seu empreendimento que, literalmente, envolve colocar a mão na massa.


Blog – O que te estimulou a criar esse empreendimento?

 

Em 2012 me vi grávida, logo após a descoberta também abandonada pelo pai do meu filho e com isso uma severa depressão com síndrome do pânico, tinha um enorme desejo de comer torta prestígio, mas nenhum ânimo de sair de casa. Então, comecei a fazer minhas próprias tortas que meu pai levava os ingredientes para que eu fizesse. Ali descobri minha paixão pela cozinha e principalmente pelos doces. Mas eu já trabalhava no RH tinha muitos anos e tentei voltar após o grande afastamento devido a depressão, mas não rolou. Cheguei a trabalhar em outra área, sem sucesso, até que me surgiu a oportunidade de começar a vender doces de porta em porta e com o auxílio dá minha mãe assim fiz. Sem o menor arrependimento. Foi a melhor troca dá minha vida. Começou simples e foi tomando forma, nesse caminho tive várias pessoas que me ajudaram a construir todo esse sonho, sou grata a cada uma. Hoje tenho a Doces Artes confeitaria Artesanal que atende com produtos personalizados para festas. Assim como a Cris Ramos Cake design, onde sou professora de confeitaria gourmet.

Blog –  Como é feito o empreendimento:
 

Minha cozinha é na minha casa, trabalho de forma bem artesanal, cada doce feito um a um, personalizado de forma manual. Meu equipamento é caseiro. Atendo 99% pela internet, cobrindo várias cidades como Juiz de Fora, Santos Dumont, Mar de Espanha e já atendi até ao Rio de Janeiro.

 
Blog – Tem alguma mensagem para mulheres que pretendem começar a empreender?”
 

Acredito que o ponto principal é descobrir o que ama fazer. Depois persistência, o sucesso depende de paciência. Estou a três anos lutando, no começo minha família dizia “Vamos procurar um emprego”, porque realmente não era fácil, tive fase de grande dificuldade financeira, mas o sucesso não significa dinheiro, ele é consequência de trabalho árduo, o sucesso vai muito além, o resultado de um projeto complexo com êxito pra mim vale muito mais do que uma conta recheada. Não que eu não goste ou queira dinheiro, mas ele vem, de qualquer jeito vem, mas a qualidade do seu produto só com extrema dedicação. Por fim força, porque o mercado ainda tem preconceito com mulheres bem sucedidas, ainda existem cobranças absurdas quando a mulher opta mais pela profissão do que pelo casamento ou filhos mesmo. Mas acredite você é um indivíduo individual, seus sonhos e projetos pessoais têm todo o valor.

Essa é a Cris!
 
Para conhecer um pouquinho mais de seu trabalho, seguem suas redes sociais:
 
Página Doces Artes
 
Página Cris Ramos

ESCRITO POR

Convidada especial

DEIXE UM COMENTÁRIO

1

Mulheres empreendedoras: Thainá e Luciana – Um sonho duas mochilas

No dia do trabalho rolou por aqui um post indicando o trabalho de algumas mulheres e concluímos que seria válido divulgar mais trabalhos de mulheres que empreendem. Seguindo nessa missão, hoje apresentaremos a vocês a Thainá Magalhães e a Luciana Amorim, ambas representam bem o espírito girl power e estão a frente de um projeto bastante inspirador.

 

Thainá e Luciana


 

A “Um sonho duas mochilas” surgiu graças a paixão por viagens da Thainá e da Luciana, que se conheceram em 2013 durante um intercâmbio na Irlanda. Durante o período elas viajaram bastante, o que proporcionou apertos e alegrias que fortaleceram a amizade e garantiu uma descoberta: é possível viajar muito sem gastar rios de dinheiro. Após um anos e alguns meses na Irlanda elas retornaram ao Brasil e ficaram um tempo sem se falar, mas, bastou perceberem a oportunidade de transformar o prazer de viajar em uma profissão para a publicitária e a farmacêutica investirem na ideia. Inicialmente surgiu o blog, que retratava o sonho de conhecer o mundo, sendo as duas mochilas a representação das duas. A primeira viagem em grupo organizada por elas foi para a mística e maravilhosa São Thomé das Letras e claro, foi sucesso. Após essa estreia elas transformaram o blog em uma agência de viagens e atualmente elas possuem uma média de 2 a 3 eventos por mês, sempre partindo de Juiz de Fora/MG.

 

Capitólio/MG


 

São Thomé das Letras


 

O maior objetivo das meninas é mostrar para os amantes de viagens que para viajar e conhecer o mundo não precisa ser rico! Vamos fazer uma avaliação: Quantas vezes gastamos com coisas que não precisamos por puro consumismo? Claro que cada um gasta seu dinheiro como quiser, mas eu, particularmente, acho muito mais válido investir meu dinheiro em experiencias do que em um sapato. Para garantir preços acessíveis, obviamente as hospedagens das viagens organizadas não são em resorts. Mas, pra quem não tem frescura e está aberto a conhecer novas pessoas se hospedando em hostels, é uma excelente pedida viajar com elas! Eu amei!

 

Caso queiram conhecer um pouco mais do trabalho das meninas, sigam as redes sociais do “Um sonho, duas mochilas”:
 
Instagram: @umsonhoduasmochilas

Facebook: Um sonho, duas mochilas

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Mulheres empreendedoras: Gabi Gonçalves – Maria Buzina

No dia do trabalho rolou por aqui um post indicando o trabalho de algumas mulheres e concluímos que seria válido divulgar mais trabalhos de mulheres que empreendem, afinal, apesar de termos evoluído bastante no que se refere a questões de gênero, ainda hoje as mulheres enfrentam mais dificuldades que os homens no mundo do trabalho, tanto por preconceito quanto pela dificuldade de conciliar o negócio com as outras responsabilidades que ainda hoje recaem somente sobre as mulheres (filhos e casa). Sendo assim, resolvemos apresentar a vocês trabalhos de mulheres que colocaram a mão na massa e desempenham trabalhos que consideramos bacanas:
 

Maria Buzina – Bolsas e acessórios conceituais em lona de caminhão usada

Tudo começou quando Gabi Gonçalves, que era estudante de artes em Juiz de Fora, descobriu que poderia utilizar lona de caminhão para confeccionar suas peças. Ela sempre enxergou a arte como autoconhecimento e já fazia artesanato para descolar uma grana extra. Quando conheceu a lona de caminhão usada logo gostou da possibilidade de criar acessórios a partir do material recém descoberto, que além de possuir a vantagem de ser reciclável, alimentava sua memória afetiva, já que seus avôs eram caminhoneiros. De acordo com o Pai de Gabi, “é uma continuação do trabalho dos seus avôs de uma maneira mais feliz, mais light”.

Por serem peças totalmente artesanais e personalizadas, cada peça é ÚNICA. Mesmo que se tente reproduzir algum trabalho anterior, não ficará idêntico, principalmente devido ao fato de a mistura das tintas serem feitas a mão. De acordo com Gabi, trabalhar com esse material seria um modo de transformar a visão pejorativa que a sociedade possui acerca de materiais que advém de caminhão/caminhoneiro. A ideia é apresentar arte e sutileza através desse material normalmente associado a algo rústico.

Para abrir a empresa, em 2006, ela contou com a ajuda do SEBRAE. Sua primeira grande exposição foi no Fashion Rio, que a levou a produzir 250 bolsas e seguir para terras cariocas.
 

Atualmente Gabi possui clientes espalhados por todo Brasil e também já vendeu para clientes de diversos países.

Os produtos Maria Buzina podem ser encomendados por e-mail: mariabuzina@gmail.com ou pela página no facebook.

ESCRITO POR

Convidada especial

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Mulheres e trabalhos que você precisa conhecer!

Hoje, no dia do trabalhador, pensamos em mulheres (é claro) que tem trabalhos que você precisa conhecer! Buscamos mulheres anônimas que estão por trás de projetos super legais e relevantes, então vamos conhecer um pouquinho delas?

 

 

Maria Chantal

 

 

 

Nascida em Luanda, Angola, Maria Chantal tem 22 anos e mora no Brasil há 17. Cansada de ver a forma diferente (leia-se racista) com que era vista e tratada na Zona Sul do Rio, em 2015 Chantal tomou uma iniciativa que visava valorizar a cultura negra: criou sua própria loja que vende bolsas, camisas, saias e turbantes. A ideia é espalhar o orgulho da africanidade, e promover a aceitação e auto estima do povo negro. As estampas tem sempre uma estética que remete ao étnico e segundo Maria, as camisas com os dizeres de orgulho são uma espécie de outdoor em outro formato. As frases são criadas por ela mesma e exaltam o orgulho negro.

 

Vamos ver algumas fotos da Loja Maria Chantal? Tudo é feito à mão, e Chantal customiza peça por peça! Algumas coleções são temporárias, o que garante a exclusividade das peças.

 

 

Atualmente, as entregas presenciais podem ser feitas em São Gonçalo ou no Rio de Janeiro, mas você pode comprar  pelo site Maria  Chantal, que tem entrega em todo o Brasil! Além disso, a Loja participa de feiras eventualmente. Siga o instagram e curta a Loja Maria Chantal no facebook!

 

 

Allyne Turano

 

 

 

 

Criadora da marca de lingerie plus size GG.rie, Allyne é professora de inglês e mantém a GG.rie como renda alternativa. O objetivo dela ao criar a marca foi valorizar a auto estima das mulheres gordas e evidenciar a sensualidade delas, respeitando o tamanho de cada uma. As vendas são feitas em feiras plus size ou pela internet. Quer ver as lingeries LINDAS da marca? Dá uma olhada:

 

 

Quer fazer comprinhas? Visite o site da GG.rie, siga no instagram e curta a fanpage da GG.rie no facebook!

 

 

Camila Kasmin

 

 

 

Camila Kasmyn é seu nome artístico, 24 anos, nascida em Nilópolis -Rj e criada em Leopoldina-MG. A primeira ideia do livreto foi aos 12 anos. Manuscrito numas folhas de papel ofício dobradas ao meio, para conseguir verba para voltar pra Minas . Camila os vendia nos sinais de Mesquita, Nova Iguaçu e Nilópolis. Eu a encontrei no trem, no ramal Deodoro e me encantei com esse trabalho lindo.

 

 

Atualmente, Camila refez seu livreto, sendo agora digitalizado, com algumas poesias daquela época e outras atuais. Antes era uma forma de passar suas poesias adiante, mas hoje é também sua única forma de sustento.

 

Abaixo segue uma poesia da Camila para que vocês possam conhecer o trabalho dela:

 

 

A gente sonha em ser artista
A gente sonha em ser artista num país onde o funk ostenta, onde político corrupto diminui ainda mais a nossa renda.
A gente sonha em ser artista onde sertanejo é moda , a cultura é falida e a educação nos corta.
A gente sonha em ser artista onde nossos passos são medidos e qualquer negro mal vestido é confundido com bandido.
A gente sonha em ser artista onde as upas não funcionam e todo mal estar é tratado com dipirona.
A gente sonha em ser artista onde os trens vão lotado e nosso governo fecha o vidro no seus carro importado.
A gente sonha em ser artista mesmo tendo pouco em casa , levando um pouco de esperança para nossa pátria amada.
A gente só sonha , e nossos sonhos ganham asas.
Quem sabe um dia tudo mude e não sejamos só o país do futebol. Quem sabe um dia a gente ostenta que aqui o amor ao próximo é sentimento e não só palavra.

 

 

Rosana Guerra 

A Rosana Guerra é a idealizadora do grupo Indefesos e é uma protetora de animais do Rio de Janeiro. Rosana é muito guerreira e dedica a sua vida para ajudar cães e gatos abandonados, vítimas de maus-tratos e violência há muitos anos. Os Indefesos retiram animais em completo estado de abandono dos abrigos públicos do RJ, reabilitando-os e buscando um lar responsável para esses animais. O grupo atualmente é grande e bem-estruturado, mas ainda não conseguiu se tornar uma ONG. Ou seja, eles ainda não podem receber doações de empresas e ainda não conseguem boas parcerias e patrocínios. Tudo o que o grupo faz é na base da luta e do suor, tentando ajudar o máximo de animais possíveis. Além disso, eles organizam todo domingo uma feira de adoção na praça do Ó, na Barra da Tijuca, aberta, inclusive, para outros protetores levarem cães e gatos resgatados em busca de uma casinha. Foi lá que a minha Lili me encontrou e eu a encontrei. No sábado, a feira costuma ser na rua Olegário Maciel, também na Barra, em frente ao Citta Vet. Para conhecer mais o trabalho da Rosana e dos Indefesos ou ajudar com doações, curte a página www.facebook.com/indefesos2

Alice Barreto

Alice tem 27 anos, é moradora de Duque de Caxias/Baixada Fluminense, mãe de dois filhos, estudante de Pedagogia e integrante do  coletivo de mulheres negras Filhas de Dandara. Dançarina de jongo e super engajada nas questões étnico-raciais ela e mais duas parceiras Milena Mendes e Liliana Martins lançaram em outubro de 2016 a marca Ayabás Moda Afro.  O termo Ayabá significa Mãe Rainha e no Brasil é usado para definir todos os orixás femininos, além de ser o nome da filha mais nova de Alice. Juntas elas produzem acessórios (brincos, colares, turbantes e bolsas) que realçam ainda mais a beleza das mulheres  e especificamente de mulheres negras, além de resgatar a ancestralidade de nossos antepassados africanos. A marca não tem nenhuma parceria e os produtos são todos de fabricação própria e exclusiva. O trabalho delas é divulgado nas redes sociais, onde também são feitas boa parte das vendas. Porém, o stand da Ayabás também está presente em alguns eventos voltados para a temática negra dentro e fora da universidade em que estudam.

                                                .                                                  Da esquerda para direita: Liliana, Alice segurando sua filha Ayabá e Milena.

Através desse empreendedorismo recente, mas que está com força total, elas conseguem desenvolver sua marca, levar o empoderamento a cada vez mais mulheres e tirarem suas rendas para sobreviverem e manterem suas famílias. Gostou? Quer conhecer melhor os produtos? Adicionem as redes socias da Aybás Moda Afro.

Facebook: https://www.facebook.com/ayabas.modaafro.9

Instagam: https://www.instagram.com/ayabasmodaafro/

ESCRITO POR

Divas

DEIXE UM COMENTÁRIO

0