Diva mas sem Frescura

Ted Mosby em: homens que não gostamos

(O texto está repleto de spoilers. Se ainda não terminou de assistir, não leia.)
 

Eu ADOREI How I Met Your Mother mesmo com o controverso desfecho da série, que desagradou muita gente. Ao longo das 9 temporadas acompanhamos a evolução de um grupo de amigos e seus relacionamentos, com ênfase na trajetória de Ted Mosby e a história de como ele conheceu a mãe de seus dois filhos (o episódio piloto mostra ele no futuro iniciando o relato para os rebentos adolescentes). Pois bem. Dito isso, dia desses passou em minha timeline um post cujo título era: “TED MOSBY OU ROSS GELLER: QUEM É O HOMEM PERFEITO?”.

 

SOCORRO!! Esses dois são extremamente insuportáveis e estão BEM LONGE da perfeição. Como a Flávia já fez esse maravilhoso post abrindo os olhos da sociedade acerca de Ross Geller, hoje farei a advogada do diabo e apontarei umas verdades sobre Ted Mosby.

– Logo na primeira temporada já conseguimos perceber que Ted é mimado e acha que o mundo deve girar em torno de sua busca pelo grande amor. Ele demonstra ser o tipo de homem que eu, particularmente, detesto: O que se acha especial, sensível, diferente de todos e, por isso, quem ele deseja tem praticamente uma OBRIGAÇÃO MORAL de correspondê-lo. Ousou não querer o sensível e perfeito Ted Mosby? Prepare-se para ser considerada uma vaca sem sentimentos que valoriza cafajestes (tipo o Barney) ou só pensa na vida profissional (tipo a Robin) enquanto despreza os caras legais.

 

– Ted não apoiou e foi incapaz de participar e ficar feliz com o segundo casamento de sua Mãe, afinal, que absurdo ela ser feliz no amor enquanto ele ainda estava à procura, né.

 

– Ted, o bom moço, traiu a Victoria com a Robin. Mesmo sendo esse ser humano querido, sensível e diferenciado, Ted simultaneamente mentiu para conseguir ficar com a Robin e enganou a namorada que estava morando em outro país.

– Tempos depois, Ted incentivou Vitoria fugir no dia do casamento dela, para, meses depois, MAIS UMA VEZ, concluir que não era ela a tal mulher da vida dele.

 

– Ted não hesitou em continuar investindo sentimentalmente na Robin mesmo após ela ficar com Barney. Prova disso foi o episódio em que ela procura o medalhão às vésperas do casamento com Barney e ele, o prestativo Ted, vai lá ajudá-la e rola aqueeeele climão presenciado pelo noivo.

Antes que você pense “Por que não fazer esse tipo de post para o Barney?”, eu respondo: O Barney pelo menos foi transparente em relação ao fato de que ele era um sem vergonha e não queria um relacionamento. Barney não é o tipo que as moças ficam “ain, ele é perfeito”, Barney não é uma propaganda enganosa. Já Ted e seu discurso de quero uma esposa e filhos faz com que muitas o considerem o homem dos sonhos, quando na realidade não é bem assim. Bom, pelo menos ele não foi um “homem dos sonhos” para as inúmeras mulheres que ele envolveu para posteriormente concluir que, bem… ele quer tentar a Robin mais uma vezinha!

 

Claro que tudo isso não o torna o monstro. Ted possui seus bons momentos e é um excelente amigo! Todos somos imperfeitos e estamos sujeitos a fazer uma ou outra cagada no campo amoroso, mas não dá pra não comentar as incoerências e vacilos desse personagem que está longe de ser o mocinho perfeito que muitos defendem.

 
E aí!? Lembram de mais algum personagem que todas amam e você detesta?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

5 Comfort Movie para assistir na Netflix

Acho que todos conhecem a expressão “comfort food”, que representa aquela “comida que abraça” e gera bem estar, mesmo sem se tratar de algo super sofisticado ou elaborado. Pois bem, eu adoro comidinhas que abraçam e tenho essa mesma sensação com alguns filmes que assisto vez ou outra, quando preciso de horinhas de leveza e conforto. Não necessariamente eles possuem enredos 100% felizes, mas todos transmitem uma mensagem positiva e proporcionam uma sensação gostosa, mesmo em meio a acontecimentos dramáticos. Todos estão disponíveis no catálogo da Netflix na data do post!

 

Meia noite em Paris – Woody Allen

Dentre os mais recentes do Woody Allen esse é um dos meus preferidos. É um charme de filme em um cenário apaixonante e um deleite para fãs de literatura (embora eu acredite que não entender as referência literárias não compromete muito a experiência com o filme). Essa comédia romântica nos mostra a história de um jovem escritor (Owen Wilson) que está passando as férias em Paris com sua noiva e que faz uma espécie de viagem para o passado em seus passeios noturnos solitários. Em tal viagem o protagonista é acompanhado por grandes nomes da literatura e, através dela, o jovem escritor percebe a sua insatisfação com a vida que está levando.
 

Boyhood: Da Infância à Juventude – Richard Linklater

Provavelmente você pelo menos ouviu falar nesse filme em época de premiações. Ele foi filmado ao longo de 12 anos e, como sugere o nome, nos mostra a trajetória de Mason de sua infância até a sua juventude, com seus conflitos, descobertas e dramas familiares. Gosto muito da forma pela qual é exposta a passagem do tempo, através das roupas músicas e cultura pop, nada de legenda com “5 anos depois” e corte pra próxima cena. Apesar de um ou outro acontecimento mais melancólico, considero um filme alegrinho, que deixa uma sensação boa e que combina com o restante da lista.
 

O Fabuloso destino de Amélie Poulain – Jean-Pierre Jeunet

Essa gracinha de filme conta a história de Amélie, uma moça sonhadora que teve uma infância solitária e, descrita no filme como uma pessoa “sensível ao charme discreto das coisas simples da vida”. A história se passa na charmosa Paris e o enredo se desenrola quando Amélie encontra uma caixinha dentro de seu apartamento e decide procurar o dono. A partir daí ela percebe a grandiosidade que pequenas ações podem carregar e passa a se dedicar ao ofício de praticar pequenos atos positivos. Esse é totalmente comfort movie e é inevitável terminar a película com aquela sensação de que o mundo e as pessoas são boas em essência.
 

Chef – Jon Favreau

Conta a história de um chef de um restaurante badalado que constantemente enfrenta seu chefe ao querer inovar o cardápio ao invés de preparar os tradicionais pratos do local. Quando um renomado crítico gastronômico faz uma dura nota criticando, justamente, a falta de criatividade do cardápio, o protagonista briga com o crítico, é demitido, sua “má fama” se espalha pelo twitter e resta a ele recomeçar abrindo um food truck, contando com a ajuda do filho e da ex esposa. Um enredo aparentemente bobo, né!? Mas o filme é uma gracinha, vão por mim.
 

Comer, Rezar, Amar – Ryan Murphy

Esse famoso romance baseado no livro homônimo conta a história de Liz Gilbert (Julia Roberts), uma mulher recém divorciada que até então possuía uma vida e uma carreira estáveis. Diante do divórcio e reviravolta na vida pessoal, a escritora começa a questionar suas prioridades e inicia uma busca rumo ao autoconhecimento, que a leva à Italia, à Índia e a Bali, locais nos quais ela vivencia o Comer, Rezar e o Amar que dão nome a obra. (Que chato, né! Imagina se pudéssemos viajar o mundo a cada vez que rola uma sofrência… hahahaha)
 

E aí!? Lembram de mais filmes gracinhas que geram essa sensação de conforto?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

O que aprendi com a Vani de Os Normais:

Sempre amei Os Normais e ultimamente tenho revisto alguns episódios nos DVD’s que tenho em meu acervo. Como em todo programa de outra década, atualmente percebo situações que considero machistas e totalmente descabidas, mas apesar disso sigo considerando a Vani uma grande pensadora dos tempos modernos e irei defendê-la! Hoje, quero compartilhar com vocês valiosas lições que aprendi com essa grande mulher ao longo e da série e dos dois filmes:

 

1. “Tudo o que é ligeiramente desconfortável no início do relacionamento, torna-se TOTALMENTE INSUPORTÁVEL com o tempo.”
 

Nossa grande pensadora disse isso se referindo a de tamanho de pênis (hahahaahah), mas peço licença para transpôr essa valiosa lição para outro contexto. Sabe aqueles hábitos ou traços da personalidade que te irritam levemente no início do relacionamento? A tendência é que com o tempo eles passem a te irritar intensamente. (Cabe avaliar se em um país como nosso brasilzão, com aproximadamente 200,4 milhões de pessoas, você realmente acha que compensa insistir em um relacionamento ligeiramente desconfortável)
 
2. “Sou eu, aliada a mim mesma, contra mim. Sempre ali me puxando o tapete, me puxando o tapete.”.

 

Nessa frase Vani nitidamente nos ensina que nós somos os únicos responsáveis pelos rumos de nossa vida. Nada de tentar colocar a culpa no outro! Certamente ela concluiu isso inspirada em sua leitura de Thomas Hobbes, que também afirmava que “o homem é o lobo do homem”.

3. “Ahh Rui, se eu te falar tudo o que já fiz eu nem sei, viu. Eu já fiz muita coisa, Rui. Já fiz de tudo”
 

Nesse tópico Vani nos ensina que o passado não deve influenciar em nossas relações. Por que algumas pessoas possuem a necessidade de saber tudo o que o outro já fez antes de conhecê-lo? Desnecessário.
 
4. “Se na pele do nariz não há rugas porque a cara inteira não é feita com a pele do nariz?”.
 

Pois é, amiga! Eu e meus respectivos pés de galinha também queremos saber. Será que Darwin dá dicas do porquê de não termos atingido tal grau na cadeia evolutiva?
 

5. “Ih, eu sou a rainha das seis da tarde. A maioria das merdas que eu pensei na minha vida, eu pensei ali, entre as 6:00, 6:50. Quando começa a dar umas 10 para as 7, daí eu fico mais otimista. Se eu não me matei até a novela das 8:00, aí não tem mais perigo.”
 
Por via das dúvidas, não tomarás nenhuma decisão importante e definitiva  no horário citado por nossa mentora.
 

6. “Não vou beber whisky e depois passar pra champagne que depois eu vou passar a meia-noite sambando pelada em cima daquela mesa”
 
Bom, tirando a parte do pelada, quem nunca, né!!? Mas Vani já havia nos alertado sobre os riscos de misturar bebidas alcoólicas.
 

7. “Quando uma mulher está chorando não adianta dizer pra ela parar de chorar. Se ela chora é porque está magoada. E a palavra mágoa quer dizer: má-água: magoa! Ou seja, é uma água que não é boa, melhor não guardar, deixa ela chorar!”
 
Olha, essa é tão profunda e verdadeira que nem tenho nada a acrescentar!
 
E aí, minha gente!? Quais lições vocês absorveram com nossa amada Vani?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0