Diva mas sem Frescura

Mulheres empreendedoras: Cris Ramos – Doces Artes

Seguimos na missão de apresentar mulheres empreendedoras para vocês e a girl power de hoje é a Cris Ramos. Ela tem 31 anos, nasceu em Volta Redonda e atualmente mora em Matias Barbosa. Ela arrasa na produção de doces atendendo a festas, dá cursos de confeitaria gourmet e contou pra nós um pouquinho acerca de seu empreendimento que, literalmente, envolve colocar a mão na massa.


Blog – O que te estimulou a criar esse empreendimento?

 

Em 2012 me vi grávida, logo após a descoberta também abandonada pelo pai do meu filho e com isso uma severa depressão com síndrome do pânico, tinha um enorme desejo de comer torta prestígio, mas nenhum ânimo de sair de casa. Então, comecei a fazer minhas próprias tortas que meu pai levava os ingredientes para que eu fizesse. Ali descobri minha paixão pela cozinha e principalmente pelos doces. Mas eu já trabalhava no RH tinha muitos anos e tentei voltar após o grande afastamento devido a depressão, mas não rolou. Cheguei a trabalhar em outra área, sem sucesso, até que me surgiu a oportunidade de começar a vender doces de porta em porta e com o auxílio dá minha mãe assim fiz. Sem o menor arrependimento. Foi a melhor troca dá minha vida. Começou simples e foi tomando forma, nesse caminho tive várias pessoas que me ajudaram a construir todo esse sonho, sou grata a cada uma. Hoje tenho a Doces Artes confeitaria Artesanal que atende com produtos personalizados para festas. Assim como a Cris Ramos Cake design, onde sou professora de confeitaria gourmet.

Blog –  Como é feito o empreendimento:
 

Minha cozinha é na minha casa, trabalho de forma bem artesanal, cada doce feito um a um, personalizado de forma manual. Meu equipamento é caseiro. Atendo 99% pela internet, cobrindo várias cidades como Juiz de Fora, Santos Dumont, Mar de Espanha e já atendi até ao Rio de Janeiro.

 
Blog – Tem alguma mensagem para mulheres que pretendem começar a empreender?”
 

Acredito que o ponto principal é descobrir o que ama fazer. Depois persistência, o sucesso depende de paciência. Estou a três anos lutando, no começo minha família dizia “Vamos procurar um emprego”, porque realmente não era fácil, tive fase de grande dificuldade financeira, mas o sucesso não significa dinheiro, ele é consequência de trabalho árduo, o sucesso vai muito além, o resultado de um projeto complexo com êxito pra mim vale muito mais do que uma conta recheada. Não que eu não goste ou queira dinheiro, mas ele vem, de qualquer jeito vem, mas a qualidade do seu produto só com extrema dedicação. Por fim força, porque o mercado ainda tem preconceito com mulheres bem sucedidas, ainda existem cobranças absurdas quando a mulher opta mais pela profissão do que pelo casamento ou filhos mesmo. Mas acredite você é um indivíduo individual, seus sonhos e projetos pessoais têm todo o valor.

Essa é a Cris!
 
Para conhecer um pouquinho mais de seu trabalho, seguem suas redes sociais:
 
Página Doces Artes
 
Página Cris Ramos

ESCRITO POR

Convidada especial

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Mulheres empreendedoras: Gabi Gonçalves – Maria Buzina

No dia do trabalho rolou por aqui um post indicando o trabalho de algumas mulheres e concluímos que seria válido divulgar mais trabalhos de mulheres que empreendem, afinal, apesar de termos evoluído bastante no que se refere a questões de gênero, ainda hoje as mulheres enfrentam mais dificuldades que os homens no mundo do trabalho, tanto por preconceito quanto pela dificuldade de conciliar o negócio com as outras responsabilidades que ainda hoje recaem somente sobre as mulheres (filhos e casa). Sendo assim, resolvemos apresentar a vocês trabalhos de mulheres que colocaram a mão na massa e desempenham trabalhos que consideramos bacanas:
 

Maria Buzina – Bolsas e acessórios conceituais em lona de caminhão usada

Tudo começou quando Gabi Gonçalves, que era estudante de artes em Juiz de Fora, descobriu que poderia utilizar lona de caminhão para confeccionar suas peças. Ela sempre enxergou a arte como autoconhecimento e já fazia artesanato para descolar uma grana extra. Quando conheceu a lona de caminhão usada logo gostou da possibilidade de criar acessórios a partir do material recém descoberto, que além de possuir a vantagem de ser reciclável, alimentava sua memória afetiva, já que seus avôs eram caminhoneiros. De acordo com o Pai de Gabi, “é uma continuação do trabalho dos seus avôs de uma maneira mais feliz, mais light”.

Por serem peças totalmente artesanais e personalizadas, cada peça é ÚNICA. Mesmo que se tente reproduzir algum trabalho anterior, não ficará idêntico, principalmente devido ao fato de a mistura das tintas serem feitas a mão. De acordo com Gabi, trabalhar com esse material seria um modo de transformar a visão pejorativa que a sociedade possui acerca de materiais que advém de caminhão/caminhoneiro. A ideia é apresentar arte e sutileza através desse material normalmente associado a algo rústico.

Para abrir a empresa, em 2006, ela contou com a ajuda do SEBRAE. Sua primeira grande exposição foi no Fashion Rio, que a levou a produzir 250 bolsas e seguir para terras cariocas.
 

Atualmente Gabi possui clientes espalhados por todo Brasil e também já vendeu para clientes de diversos países.

Os produtos Maria Buzina podem ser encomendados por e-mail: mariabuzina@gmail.com ou pela página no facebook.

ESCRITO POR

Convidada especial

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Empreendedorismo feminino: girl power, foco e determinação

 

 

Hoje o post vai tratar de empreendedorismo feminino, ou seja, quando uma mulher resolve pôr a mão na massa e tomar as rédeas da vida, dos sonhos e dos planos, apesar das dificuldades duplas: tanto pelas questões complicadíssimas de burocracia do Brasil, quanto por ser uma mulher em um mercado ainda dominado por homens. Pensando em motivar nossas meninas que estão pensando ou querendo empreender, chamamos a Mayara, criadora da Mixto, pra bater um papo leve com a gente. Ela tem 27 anos, é publicitária e se define como “eterna estudante do mundo”. Simbora? Então simbora!

 

Blog: Fala um pouco sobre a sua trajetória e o que te motivou a abrir a Mixto.

 

Mayara: Trabalho desde os 18 anos e cai meio que de paraquedas para coordenar o marketing de uma academia. Aos 19  anos tinha uma empresa na mão e fiz tudo, exatamente tudo o que eu queria fazer com relação a comunicação. O que me abriu os olhos foi a possibilidade de fazer MUITO com pouca grana. Me incomodava e me incomoda até hoje ver boas empresas, com bons produtos e bons serviços, sem conseguir vender ou comunicar isso por falta de grana e por não ter alguém disposto a encarar o desafio. Aí surgiu a ideia da MiXto. Uma agência de comunicação para  empreededores. Em 2016 resolvi ir além e entrei na área da educação. O desafio dessa vez era abrir um espaço para que novos profissionais, estudantes e empreendedores pudessem se encontrar e descobrir possibilidades. Cá estou, apaixonada e vibrando com nada novo passo que damos. A equipe atual da Mixto é formada pela Clara Rueda e pela Júlia Máximo. Antes, também tinha o Ricardo Mattos,  só que ele não faz parte da equipe mais, porém nada mudou! É um grande amigo e nos falamos sempre. Nem olhei currículo deles, contratei por olhar e a vibe “bater”. Escolhas certeiras.

Cursos na empresa da Mayara: ambiente descontraído e sentimento de colaboração 

 

 

Blog: Conta pra gente o que é exatamente a Mixto, o que ela faz e promove e como você acha que esse espaço pode contribuir na vida das pessoas de diferentes idades e formações.

 

Mayara: Somos uma casa de encontros criativos e chamamos de casa porque a gente gosta de receber como casa. Entrou aqui, virou amigo (rs). Promovemos  cursos, workshops e um encontro especial que chamamos de “Sacode Criativo”, que é um bate papo gostoso com carinha de festa e que rola uma vez por mês. De um jeito bem simples, trazemos os melhores profissionais do mercado carioca para compartilhar vivências com estudantes e empreendedores. Acredito que todo mundo tem alguma coisa pra ensinar e que isso pode ser muito divertido e transformador. A gente participa, mesmo que de forma pequena, da formação de uma  galera que está chegando agora no mercado e que precisa olhar tudo isso de um jeito diferente. Há muitas possibilidades e existem muitas pessoas que abrem o coração quando a gente chega junto e tá afim de realizar. Não há ” caixa” ou ” bolha”. Pra mim, é questão de esbarrar na pessoa certa, na hora certa e no lugar certo.

 

 

 

Blog: No nosso blog, exaltamos o poder feminino em suas diferentes manifestações e grandezas, e por isso trazer a história de uma menina tão jovem e corajosa como você é um prazer para nós. Sendo mulher, o que você tem a dizer sobre as dificuldades de ter um negócio próprio? De estar a frente de uma equipe, de lidar com várias pessoas, de passar por processos burocráticos, enfim. Tudo o que diz respeito à escolha de empreender no Brasil.

 

Mayara: Eu  falo pras meninas aqui que entrei num barco rumo ao paraíso e que é sem volta. É onda atrás de onda e manter o equilíbrio no barco não é tão simples como acham por aí. Essa questão da idade, do histórico profissional, de ser mulher e de estar a frente de alguma coisa sozinha, não atrapalhou. Acho que a gente precisa ser humilde quando pensa em ter um negócio. Eu bati em muita porta pedindo ajuda. Perdi as contas dos cafés que insisti em marcar com as pessoas que eu achava que precisava conhecer. Dificuldade existe e empreender é encarar. Quando a gente acredita no projeto e na entrega que ele tem pro mundo, a gente encara até 2 leões de uma vez. ;)

 

Essa é a jovem carinha da Mayara! 

 

Blog: Fale o que você quiser para as nossas leitoras que estão pensando em empreender algum tipo de negócio!

 

Mayara: Empreender não é só abrir uma empresa.Se pensar assim,não dou 1 ano pra empresa durar…rs. Então, quero compartilhar as 3 coisas mais importantes que aprendi: entenda tudo sobre a parte financeira do seu negócio,pois é o que faz ele funcionar; Bata nas portas e faça amigos. -Aquela história de que é melhor ter amigo na praça do que dinheiro no banco, é real – e por último abra uma empresa para entregar uma solução pra sua cidade, pra sua faculdade, pro mundo. Ter um negócio faz todo sentido quando você faz pensando em quem vai receber e em como o seu produto ou serviço vai interferir na vida dela. Fale de coração para coração!

 

O espaço da May faz viagens criativas com o objetivo de aprofundar assuntos e de conectar mais a galera. Legal, né? 

 

Ficou com alguma dúvida? Sentiu vontade de perguntar algo? Comenta aqui que a gente responde!

 

Você também pode procurar a Mayara através das redes sociais

Facebook: facebook.com/mixtocom

 

Instagram: @mixto_com

ESCRITO POR

Olga Bon

DEIXE UM COMENTÁRIO

0