Diva mas sem Frescura

O “fantástico” mundo da Universidade pública.

Se você é ou já foi vestibulando com certeza já parou para refletir o que é o espaço acadêmico. Devem haver milhões de questionamentos sobre isso e hoje vim contar um pouco da minha experiência como estudante de universidade pública para vocês.
 
No início todo mundo diz que a universidade é um lugar MA-RA-VI-LHO-SO e de lá você sairá muito bem capacitado, pronto pro mercado de trabalho Aeeeeeew!!! Só que não HAHAHA. Tudo bem, nas primeiras semanas você fica realmente deslumbrado com muitas coisas. Pelo menos eu fiquei! Professores muito loucos, trote nos calouros, aulas muito boas, palestras, festas, sexo, drogas, viagens… DIVERSIDADE.
 

 

Acho que a palavra diversidade define bem o que é estar neste espaço. Tudo é muito livre, tudo é normal e liberado. Ou quase tudo! Você começa a desconstruir tudo que aprendeu sobre a vida e a sociedade,  aprende o que é pensamento crítico e ingere gás chamado problematização. Cuidado com ele hahaha! Dai você problematiza desde os assuntos mais sérios como machismo, racismo e homofobia como os mais idiotas que nem cabe citar aqui. Estar na universidade te permite entrar em contato com pessoas totalmente diferente e esse acesso a  novos conhecimentos ás vezes da uns bugs na cabeça. É por isso que muitas pessoas mudam totalmente depois que viram universitárias.
 

 
Existem professores incríveis que farão você aprender pra caramba e que realmente estão ali pra contribuir para sua formação. Porém, existem professores que vão aprovar ou reprovar a turma toda de maneira bem injusta. Ainda bem que você mesmo monta sua grade de matérias e pode escolher os queridos docentes que irão te passar mil textos, documentários e uma prova  pra você sofrer bastante e tirar apenas 7,0 HAHAHAH.
 

 
Trabalhar e estudar são duas coisas bem difíceis, A maioria de nós optamos por fazer estágios, que nem sempre pagam bem, mas da pra custear a passagem da semana e tomar uma cervejinha no final. Falando em cerveja, lembrei que se tem uma coisa que universitário gosta é de fazer festa. Qualquer interinha a gente compra umas bebidas, ouve uma música e se reúne pra comemorar e/ou esquecer a vida.
 

 
Mas também sabemos ser sérios, né non? Dentro da universidade pude me inserir em coletivos de movimento estudantil, feminismo, coletivos negros e gestão de centros acadêmicos. Esses grupos são formado por pessoas que se unem por uma causa, geralmente pra debater e reivindicar melhorias na universidade e na sociedade como um todo, promovendo eventos e atividades. Grande parte do meu aprendizado enquanto universitária obtive dentro desses coletivos auto organizados que geralmente são acolhedores.
 

 

Além de eventos internos, também tive oportunidade de participar de congressos nacionais em outras universidades do Brasil. Viajei com os amigos por três anos consecutivos conhecendo diversos estudantes de vários estados brasileiros. Nessas viagens aprendi sobre COLETIVIDADE. Geralmente, não somos ensinados a termos pensamentos coletivos, mas a partir do momento que você passa dias viajando, dormindo, acordando, comendo, bebendo e tomando banho e com mais um grupão de pessoas percebe-se a necessidade da união. É um ajudando o outro e ali constrói-se intimidade e boas amizades.

 

A universidade pública é um lugar muito politizado e lutamos muito pela real democratização desse espaço. Desde a revisão do sistema de vestibular até condições de acesso e permanência na universidade. Porque entrar parece ser difícil, mas permanecer e sair é muito mais.
 

Por último, mas não menos importante, tudo que é político pode gerar divergências. Os debates, campanhas, votações e decisões, quando precisam ser tomadas acabam, muitas vezes, gerando uns quebras-quebras e discordâncias, briguinhas entre esquerda e direita, mas no final quase ninguém leva para o coração. Eu disse QUASE. As vezes a gente fica tão sobrecarregado que não aguentamos tantas coisas de uma vez. É muito comum que estudantes universitários tenham crises de ansiedade, distúrbios alimentares e questões psicológicas. Eu mesma já tive, mas estou bem viva, tentando terminar a bendita Monografia/TCC (Trabalho de conclusão de curso) que é uma grande e bela pesquisa que você deve fazer, se não você não se forma, rs.
 


 
Enfim, se você está prestes a entrar na universidade aproveite o máximo todas as mudanças que irão acontecer. Curta cada momento da sua graduação, estude, lute, vá nas festa e viagens se possível for. Faça tudo no seu tempo, ou no tempo de pelo menos uma greve que você provavelmente enfrentará. Mas não perca a oportunidade única de melhorar como pessoa e como um futuro profissional.

 
Boa sorte!
 
Grande beijooo!

 

 

ESCRITO POR

Milena Passos

DEIXE UM COMENTÁRIO

0