Diva mas sem Frescura

Cansado das pessoas e não pode mudá-las? Mude você!

Depois do post maravilhoso da Daniele sobre como lidar com pessoas insuportáveis, fiquei pensando em quantas pessoas insuportáveis já passaram na minha vida, quantas sumiram e quantas eu tive simplesmente que aprender a lidar, o que me fez pensar em como eu mudei meu comportamento e certos aspectos da minha personalidade durante a vida adulta (afinal, já tenho quase 30 né mores, tive que crescer em algum aspecto).

 

Sempre fui uma pessoa extremamente crítica, e durante minha adolescência até uns 20 anos posso dizer que fui uma pessoa extremamente antipática com quem eu não conhecia ou com aqueles cuja expressão facial não me agradasse, e também com aquelas pessoas que falavam muita besteira. Só que isso me trouxe um grande problema: sendo assim, eu dava margem para que as pessoas também tivessem antipatia instantânea por mim, e isso piorava muito a forma como eu era interpretada.

 

meu lema por anos

 

Hoje em dia não me sinto mal por ser uma pessoa crítica, porque com o passar dos anos descobri que todo mundo é: todo mundo coloca os outros em categorias e estereótipos, todo mundo tem pessoas que “o santo não bate”, todo mundo julga, a diferença é que uns fingem que não, e outros mostram que sim, e eu era parte desse segundo grupo. A partir de um dado momento na minha vida, não sei bem qual, resolvi mudar. Ao invés de fazer aquela cara de “AFF” e revirar os olhos, dei um sorriso, discordei educadamente, tentei entender a vida daquela pessoa e o que a levava a ter aquelas ideias, e para a minha surpresa, as reações foram melhores e fui mais ouvida também.

 

cara de aff

 

Quando aprendemos a ouvir os outros, mais gente aprende a nos ouvir com disposição. Quando tentamos não julgar os outros, as pessoas sentem nossa vibe e são mais legais com a gente também. Quando valorizamos as qualidades das pessoas e as atitudes delas, mais pessoas nos valorizam também. Um simples sorriso e uma tentativa de compreensão é capaz de mudar a forma como vemos os outros e como somos vistos, e mesmo que a gente diga “ah, eu não ligo pra opinião dos outros”, vamos falar a real: ninguém gosta de ser odiado, de ser mal interpretado, de ser julgado, não é? Mas cuidado: ser mais legal com as pessoas, fazer menos cara de nojo e tentar ser mais compreensiva não vai impedir que muita gente continue te julgando, falando mal de você pelas costas ou interpretando mal suas mais sinceras intenções. Só vai fazer com que você lide melhor com isso e fique bem consigo mesma, e no fim das contas, é isso que realmente importa, não é?

 

 

ESCRITO POR

Luma Mattos

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Manual prático de como lidar com gente insuportável sem pirar

Entre minhas amigas rola a teoria de que em TODO AMBIENTE, não importa se é no trabalho, na faculdade, no cursinho, na academia ou na sua família: SEMPRE HAVERÁ UMA PESSOA INSUPORTÁVEL COM A QUAL VOCÊ DEVERÁ LIDAR. Caso você não identifique essa pessoa, sinto lhe dizer que provavelmente esse alguém insuportável é você.
 
Pois bem, como concordo e sinto na minha pele hidratada essa teoria, quero compartilhar com vocês algumas dicas que costumam ajudar:
 
Ignorar

Por se tratar de solução pacífica, indolor e que não gera consequências na esfera penal, essa é sempre uma boa opção. Quando a pessoa insuportável vier lhe perturbar, tente responder de forma calma, racional e buscando ignorar possíveis provocações. Respire fundo e apenas ignore.

Sorria e acene

A filosofia dos pinguins de Madagascar é uma boa saída para lidar com aquele tiozão que faz piada do “é pavê ou pacumê” e com gente que vem te perturbar na quinta-feira de manhã após o Flamengo perder na noite de quarta. Esse tópico é pra ser utilizado com aquela pessoa que é um insuportável do bem. Em outras palavras, aquele ser humano que, apesar de sem noção e insuportável, aparentemente possui um bom coração.
 
Se a pessoa bancar a louca, banque a louca em dobro

Sou adepta da máxima “assombração sabe pra quem aparece” e, infelizmente, algumas situações pedem medidas extremas. Muita gente que se diz “temperamental” e “de personalidade forte” só é desagradável assim por que nunca apareceu uma boa alma para lhe dar o devido e merecido sacode (que não necessariamente envolve agressão física, por favor, não coloquem palavras em meu post. hahaha). Confesso que anos atrás, em uma galáxia distante, utilizei essa estratégia no calor do momento e funcionou MUITO BEM. A pessoa rapidinho baixou o tom e não foi necessário irmos todos para a delegacia mais próxima.

Respire fundo e mentalize mantras

Essa é para almas que estão em um estágio mais avançado de autocontrole. Vou exemplificar e vocês livre adaptam pra realidade que lhes cabem;
– Patrão ou colega de trabalho te irritando: “Preciso desse emprego e não posso arremessar objetos nesse ser, ó universo dai-me paciência”
– Colega de faculdade te tirando do sério: “Em alguns semestres nunca mais verei a cara desse ser humano, não vale o desgaste, respire profundamente”
 

Agora, falando sério um pouquinho, em “Histórias do Sr. Keuner”, Bertold Brecht relata histórias vividas pelo personagem que dá nome ao livro. Em uma delas, Brecht conta que o Sr. Keuner caminhava pelas calçadas de uma cidade de país inimigo. Um soldado, ao cruzar com ele, mandou que descesse para a rua e andasse pela lama, pois não era cidadão daquele país. Sr. Keuner obedeceu e naquele momento desejou que aquele soldado morresse, assim como toda a população daquele país. Mais tarde, recuperada a razão, Sr. keuner concluiu que quando cruzamos com idiotas, podemos facilmente nos tornarmos um. Então, o melhor é desviar.
 

Nem sempre iremos conseguir, mas não custa tentar! Quais estratégias vocês utilizam para lidar com os insuportáveis que lhes cabem?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Alongar, curvar ou dar volume?

Máscara de cílios é sem dúvidas um dos meus itens favoritos na preparação de uma maquiagem, mas sempre surge uma dúvida na hora de escolher qual passar. Afinal, qual é a finalidade de cada pincel? Por que os formatos são diferentes? Se você não entende o motivo de cada pincel ter uma forma diferenciada, continue lendo o post. Hoje vocês irão conhecer alguns dos formatos das máscaras de cílios: Alongar, curvar ou dar volume? Você decide!
 

 

Esse é o Formato curvado, mais conhecido como “Aplicador em C”. Ele promete curvar os cílios, dando um efeito de formato natural dos seus olhos, justamente por se encaixar e conseguir passar o produto em todos os seus cílios.
 

 
Esse possui as cerdas longas e unidas, esse é o meu preferido. Esse é o pincel que vai adicionar volume no meu olhar, ou seja, cílios bem volumosos.

 

 
Esse é o formato em cone ou formato cônico, 2 em 1: alonga e dá volume. Ele promete buscar maior volume em todos os cantinhos externos dos cílios. Até mesmo naqueles que estão nascendo, ou seja, bem pequeninos. Criado esse efeito, você tem os cílios mais alongados por conta do produto passar nos cantos externos e laterais.

 

 
Cerdas finas e durinhas, esse é o aplicador que quase toda mulher já teve, ou todas? Ele é de fácil aplicação, ajuda a alongar e separar todos os cílios, não deixando uma concentração de produto.
 
Todos os pinceis que estão aqui na página, são referência da Maybelline, os preços são variáveis e custam ATÉ R$32,90.
E aí, aprenderam os formatos? Agora vocês já podem escolher o que mais combina com você.

ESCRITO POR

Marcelli Martins

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Não deixe que a carência escolha por você

Dia desses conversei com uma amiga queridíssima, que possui uma visão bem diferente da minha em uma série de questões, especialmente aquelas referentes aos temas: homens e vida amorosa. Essa amiga está solteira há mais de 2 anos e nessa noite o nosso ponto de convergência foi: a carência é uma péssima conselheira, esteja você solteira há muito ou pouco tempo.
 

Sabemos que início de vida de solteira quase sempre é aqueeeele oba oba. Um mundo de possibilidades se abre, vários contatinhos, muitas moças se tornam adeptas dos aplicativos de relacionamento e as que curtem balada se transformam nas rainhas do camarote. Mas bem, com o tempo a tendência é tudo isso cansar um pouco. As baladas são todas parecidas, as pessoas que frequentam são mais ou menos iguais (ok, essa parte pode ser culpa do meu astigmatismo) e os caras basicamente utilizam as mesmas táticas de guerra com todas nós. Enfim, chega uma hora que cansamos de ouvir as mesmas frases e, principalmente, cansamos de passar sempre pelas MESMAS FASES e situações com os ficantes até resolvermos cortar o vínculo.

Relações casuais e superficiais são ótimas e cumprem seu papel social, mas concordo que chega uma hora que queremos algo mais intenso. Queremos o combo maravilhoso e raro de nos interessarmos pelo corpinho e pela alma do moço na mesma intensidade. E é aí que mora o perigo, minhas amigas! Com certeza vocês já ouviram algo acerca de pessoas que se apaixonam pela ideia de estarem apaixonadas e não pelo amante em si. Pois bem, isso é muito verdade! Nessa ânsia de querer “viver algo”, nesse desespero para “ter um relacionamento”, corremos o risco de aceitar qualquer lixo radioativo que aparecer e ainda nos convencermos de que isso é o suficiente.
 

Quando estamos carentes, qualquer cangote cheiroso (ou não tão cheiroso) serve. Corremos o risco de suspirar e até sofrer por algum cara pelo qual JAMAAAAIS nos apaixonaríamos em condições normais de temperatura e pressão. Não estou dizendo que eu ou você não podemos nos apaixonar verdadeiramente por algum ~boy atípico~, mas o lance é que quando estamos muito carentes dificilmente é amor, quase sempre é cilada, parafraseando os pensadores modernos do grupo Molejo.

Vocês já assistiram ao filme “As vantagens de ser invisível”? Em dado momento, após quebrar a cara algumas vezes, a personagem da Emma Watson afirma que “aceitamos o amor que achamos merecer”. É exatamente isso. Muitas mulheres, depois de certo tempo solteiras, acabam aceitando relacionamentos terríveis por medo de ficarem sós ou por acharem que não irão encontrar “nada melhor” (esse pensamento é péssimo e absurdo, mas mais comum do que imaginamos). Então bem, não caia nessa armadilha! Nada de deixar que a carência escolha por você. Tenha plena consciência do valor intrínseco à sua existência e não aceite menos que uma pessoa maravilhosa, no mais amplo sentido da palavra. Todas nós merecemos o melhor, embora isso pareça um papo meio autoajuda.
 
Pra finalizar, compartilho com vocês o trecho de um livro que terminei recentemente e que se relaciona com o assunto:
 

“O amor nunca é melhor que o amante. Quem é mau, ama com maldade, o violento ama com violência, o fraco ama com fraqueza, gente estúpida com estupidez e o amor de uma pessoa livre nunca é seguro” O olho mais azul – Toni Morrison
 
Acrescentando: O carente ama com carência e o desesperado com desespero. Não é isso que queremos, não é mesmo?

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Miss Brasil, racismo e representatividade

Neste sábado (19) ocorreu o concurso do Miss Brasil Be Emotion e eu confesso que já estava até triste porque eu amei muito a miss Brasil 2016 Raissa Santana, que quebrou um jejum de 30 anos de misses brancas e ganhou o concurso de mulher mais linda do Brasil, sendo negra e cacheada.

 

A Miss Brasil 2016 Raissa Santana

 

Antes de mais nada, preciso ressaltar aqui que: sim, sabemos que os concursos de beleza são extremamente problemáticos porque estabelecem ou concordam com um padrão de beleza: só são bonitas as magras, altas, de cabelo liso, brancas, etc. Sim, sabemos que mesmo as misses negras também tem um corpo padrão. Mas uma coisa boa existe na premiação de mulheres negras como as mais bonitas do país: o aumento da auto estima de mulheres como elas, como eu, como muitas que conheço que sempre se sentiram inferiores e incomparavelmente menos bonitas ou mais feias do que mulheres brancas de cabelo liso. Mas nem tudo são flores: a Miss Piauí teve de enfrentar o racismo ferrenho de grande parte da população, e para mostrar pra vocês tive de colecionar uma série de prints que sério, me deixam muito triste:

 

 

Se tem coragem pra falar em rede internacional, não precisamos tampar o rostinho da moça né?

 

 

 

 

O preconceito se mostra até em relação ao tipo de cabelo crespo mais aceito pela sociedade, que é o cacheado. E tudo isso porque a nossa Miss, Monalysa Alcântara, não fez fitagem nos cabelos:

 

 

 

Mas o que mais me chocou foi isso aqui:

 

 

 

OPA MEU AMOR, VOCÊ DISSE NUNCA ESCOLHER UMA MULHER BRANCA?????????????

 

Misses Brasil 1954-1976: encontre a branca

 

 

Misses Brasil 1977-2002: encontre a branca

 

Misses Brasil 2002-2008: encontre a branca

 

 

Misses Brasil 2009-2015: encontre a branca

 

Mesmo o Brasil tendo mais de 50% da população preta-parda, as mulheres consideradas as mais bonitas do Brasil desde 1954 são em sua esmagadora maioria o que: brancas de cabelo liso! E quando DUAS vezes se elegeram mulheres negras (lindíssimas), isso incomodou a ponto de causar rebuliço nas redes sociais.

 

Monalysa Alcântara, Miss Brasil 2017

 

O racismo no nosso país se manifesta sem a menor vergonha, sem o menor pudor. Imagine se a Miss fosse uma negra de pele escura, de cabelo tipo 4, com nariz largo e manequim 40? Muitas pessoas não tem a menor vergonha em manifestar que mulheres com estas características são inferiores às mulheres brancas, mas nos últimos concursos isso mudou MINIMAMENTE: nós, mulheres negras, começamos timidamente a ser incluídas no público alvo de marcas de beleza, começamos a ser vistas como belas, começamos a não ser inferiorizadas por cabelos lisos, loiros e pele clara. E isso é muito positivo.

 

 

A imagem acima me emociona bastante, porque durante toda a minha infância e adolescência eu quis um cabelo liso, eu quis me adequar para ser considerada bonita também, e muitas, muitas, MUITAS vezes eu me senti e fui considerada menos do que meninas brancas de cabelo liso. Nós, mulheres negras, não estamos numa guerra contra as brancas. Nós apenas queremos ser valorizadas, queremos ser apreciadas, queremos nos sentir bem com a nossa aparência, e isso nos foi e nos é negado por muitos anos. Mas felizmente, essa realidade está mudando. Com passos de formiga e sem vontade, mas está. É claro que esperamos que um dia não haja mais concursos de beleza e todas as mulheres se sintam lindas, mas enquanto eles existirem, esperamos ter oportunidades de estar lá, ter chances de sermos consideradas lindas, e até mesmo as mais lindas do país que sim, queiram vocês racistas ou não, somos maior parte da população do país, e sim, somos belas. E felizmente, não só no Brasil, mas no mundo essa realidade vem mudando:

 

Miss USA 2016: Deshauna Barber

 

 

Miss USA 2017: Kara McCullough

 

 

Miss França 2017: Alicia Ayles

 

Quero finalizar este post me direcionando às mulheres negras: ei, preta, você é linda! Mais cedo ou mais tarde todos vão enxergar isso, então comece por você!

ESCRITO POR

Luma Mattos

DEIXE UM COMENTÁRIO

0