Diva mas sem Frescura

“Ahhh mas você vai sozinha? Que triste!”

Desconfio que em algum momento de nossa evolução, um de nossos primórdios criou a lista de coisas que uma mulher não pode fazer sozinha e, se fizer, será taxada de solitária, carente, esquisita ou o que for. Essa lista abarca desde ir ao cinema e tomar um café na sua própria companhia até algo maior, como viajar ou ir a algum show.
 
“Ahhh, mas ninguém quis ir com você?”
“Você é tão bonita, daqui a pouco encontra um parceiro para seus passeios”
“Nossa, mas você não tem nem um amigo pra ir com você?”

Quem está solteira, ou até mesmo quem possui um boy que mora longe, COM CERTEZA JÁ OUVIU ESSA FRASE! Na verdade você nem precisa ser uma single lady ou morar distante do mozão pra ouvir isso. Basta ousar viver como o indivíduo livre que é e vez ou outra sair sozinha. Sempre haverá alguém para se espantar com o fato de que, pasmem, você não nasceu grudada com ninguém. Acreditem, até após viagem a trabalho eu já ouvi: “ahh lá parece ser legal, pena que o fulano não foi, né?”. Como se só pudéssemos viver e nos divertir ao lado de alguém. Preferencialmente um parceiro amoroso.
 
O que mais me irrita nesse tipo de pergunta ou comentário é a certeza de que raramente homens ouvem algo parecido. Homem sair sozinho é considerado algo normal e até mesmo louvável, “Vejam só como ele é independente e aventureiro”. Mulher sozinha é algo estranho, que desperta pena e hipóteses acerca de “qual problema será que ela tem, hein?”.

Quem me conhece sabe que tenho bastante amigos e que AMO a companhia de todos eles. Mas acontece que nem sempre as agendas vão bater, nem sempre a pessoa gosta dos mesmos programas, filmes, baladas e até mesmo restaurantes que eu. Nem sempre o amigo vai ter dinheiro e, principalmente, nem sempre estou disposta a contar com a boa vontade e disponibilidade alheia. Por vezes simplesmente quero decidir fazer algo e ir.
 

Próxima vez que alguém vier com cara de lamentação e falar “Ahhh mas você vai sozinha? Que triste”, responda: Triste é não ter saúde e disposição para fazer o que quer. Triste é não ter tempo e dinheiro para realizar pequenos desejos. Triste MESMO é viver na dependência da boa vontade do outro.
 

Sei que ainda temos muito o que evoluir no que se refere a questões de igualdade de gênero e a tal lista fictícia criada por nossos primórdios ainda vigora, mas não podemos ficar trancadas em casa enquanto a sociedade enxerga a liberdade feminina e masculina de formas diferentes. Vão por mim: mesmo que vocês passem algum aperto sozinhas, SEMPRE SERÁ UMA EXPERIENCIA VÁLIDA. Na pior das hipóteses você terá histórias trágicas e engraçadas para lembrar depois.

 

(Utilizei no post imagens do filme LIVRE, no qual a protagonista viaja pela costa do oceano pacífico em busca de autoconhecimento e uma nova vida. Assistam!)

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Mulheres empreendedoras: Cris Ramos – Doces Artes

Seguimos na missão de apresentar mulheres empreendedoras para vocês e a girl power de hoje é a Cris Ramos. Ela tem 31 anos, nasceu em Volta Redonda e atualmente mora em Matias Barbosa. Ela arrasa na produção de doces atendendo a festas, dá cursos de confeitaria gourmet e contou pra nós um pouquinho acerca de seu empreendimento que, literalmente, envolve colocar a mão na massa.


Blog – O que te estimulou a criar esse empreendimento?

 

Em 2012 me vi grávida, logo após a descoberta também abandonada pelo pai do meu filho e com isso uma severa depressão com síndrome do pânico, tinha um enorme desejo de comer torta prestígio, mas nenhum ânimo de sair de casa. Então, comecei a fazer minhas próprias tortas que meu pai levava os ingredientes para que eu fizesse. Ali descobri minha paixão pela cozinha e principalmente pelos doces. Mas eu já trabalhava no RH tinha muitos anos e tentei voltar após o grande afastamento devido a depressão, mas não rolou. Cheguei a trabalhar em outra área, sem sucesso, até que me surgiu a oportunidade de começar a vender doces de porta em porta e com o auxílio dá minha mãe assim fiz. Sem o menor arrependimento. Foi a melhor troca dá minha vida. Começou simples e foi tomando forma, nesse caminho tive várias pessoas que me ajudaram a construir todo esse sonho, sou grata a cada uma. Hoje tenho a Doces Artes confeitaria Artesanal que atende com produtos personalizados para festas. Assim como a Cris Ramos Cake design, onde sou professora de confeitaria gourmet.

Blog –  Como é feito o empreendimento:
 

Minha cozinha é na minha casa, trabalho de forma bem artesanal, cada doce feito um a um, personalizado de forma manual. Meu equipamento é caseiro. Atendo 99% pela internet, cobrindo várias cidades como Juiz de Fora, Santos Dumont, Mar de Espanha e já atendi até ao Rio de Janeiro.

 
Blog – Tem alguma mensagem para mulheres que pretendem começar a empreender?”
 

Acredito que o ponto principal é descobrir o que ama fazer. Depois persistência, o sucesso depende de paciência. Estou a três anos lutando, no começo minha família dizia “Vamos procurar um emprego”, porque realmente não era fácil, tive fase de grande dificuldade financeira, mas o sucesso não significa dinheiro, ele é consequência de trabalho árduo, o sucesso vai muito além, o resultado de um projeto complexo com êxito pra mim vale muito mais do que uma conta recheada. Não que eu não goste ou queira dinheiro, mas ele vem, de qualquer jeito vem, mas a qualidade do seu produto só com extrema dedicação. Por fim força, porque o mercado ainda tem preconceito com mulheres bem sucedidas, ainda existem cobranças absurdas quando a mulher opta mais pela profissão do que pelo casamento ou filhos mesmo. Mas acredite você é um indivíduo individual, seus sonhos e projetos pessoais têm todo o valor.

Essa é a Cris!
 
Para conhecer um pouquinho mais de seu trabalho, seguem suas redes sociais:
 
Página Doces Artes
 
Página Cris Ramos

ESCRITO POR

Convidada especial

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

A arte de ser feliz sozinha

Vamos combinar aqui que só dependemos de nós mesmas para sermos felizes. É sempre bom ter alguém pra dividir a vida e viver bons momentos, mas enquanto essa pessoa não aparece, saber apreciar nossa própria companhia é fundamental.

 

Não somente no dia dos namorados, mas em todos os dias da sua vida, você merece ser feliz e se bastar. Por isso, vou compartilhar com vocês algumas dicas de como passo meu tempo sozinha e dicas do que podemos fazer pra mandar a solidão embora.

 

Então vamos às dicas:

 

Conheça uma banda nova ou que tal começar a leitura de um novo livro?

 

Se desligar da internet de vez em quando é libertador, tente passar um dia inteiro só com seus livros, músicas (Spotify ♥) ou que tal também escrever? Liberte a sua imaginação.

 


Tire um dia pra você, para se cuidar, que tal fazer um SPA caseiro?

 

Se arrume para você . Afinal, a gente não precisa esperar um encontro para se sentir bem e bonita. Hoje é o dia pra usar aquela roupa nova ou o batom que tá guardado para uma ocasião especial. Todo dia é um dis especial.

 

 


Faça maratona de séries/ filmes

 

A famosa Netflix tá aí pra nos ajudar nisso e há uma segunda opção, um app chamado stremio, que também tem muito conteúdo bacana (mas por enquanto só tem pra iOS e windows, android ainda não. E o melhor de tudo: é 0800)

 

 


Organize seu quarto

 

Tô longe de ser Marie Kondo, mas eu juro que não há coisa mais relaxante. Coloque aquela música que você adora e mão na massa. Organize suas gavetas, troque móveis de lugar caso tenha vontade, mude a decoração, etc… Use sua criatividade!

 


Faça um programa que nunca fez antes

 

Seja um ponto turístico da cidade ou ir ao cinema sozinha, ir a um restaurante novo que abriu ou até mesmo ir pra cozinha e pôr em prática seus dotes culinários, enfim… o que te der vontade, vai sem medo!

 

 

 

Por fim, quero dizer duas coisas que mudaram minha vida e minha forma de olhar para o cotidiano e me tornaram uma pessoa mais feliz e autoconfiante:

 

1- Se respeite 100% e não aceite nada menos que isso de outras pessoas.
2- Se abra para novas oportunidades e se entregue ao máximo a cada uma delas. No ruim, você terá mais uma experiência pra conta e o aprendizado.

 

 

Sem mais delongas, se ame, se perdoe, sonhe grande e viva intensamente! A vida passa num piscar de olhos.

ESCRITO POR

Jessica Ribeiro

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

Mulheres empreendedoras: Thainá e Luciana – Um sonho duas mochilas

No dia do trabalho rolou por aqui um post indicando o trabalho de algumas mulheres e concluímos que seria válido divulgar mais trabalhos de mulheres que empreendem. Seguindo nessa missão, hoje apresentaremos a vocês a Thainá Magalhães e a Luciana Amorim, ambas representam bem o espírito girl power e estão a frente de um projeto bastante inspirador.

 

Thainá e Luciana


 

A “Um sonho duas mochilas” surgiu graças a paixão por viagens da Thainá e da Luciana, que se conheceram em 2013 durante um intercâmbio na Irlanda. Durante o período elas viajaram bastante, o que proporcionou apertos e alegrias que fortaleceram a amizade e garantiu uma descoberta: é possível viajar muito sem gastar rios de dinheiro. Após um anos e alguns meses na Irlanda elas retornaram ao Brasil e ficaram um tempo sem se falar, mas, bastou perceberem a oportunidade de transformar o prazer de viajar em uma profissão para a publicitária e a farmacêutica investirem na ideia. Inicialmente surgiu o blog, que retratava o sonho de conhecer o mundo, sendo as duas mochilas a representação das duas. A primeira viagem em grupo organizada por elas foi para a mística e maravilhosa São Thomé das Letras e claro, foi sucesso. Após essa estreia elas transformaram o blog em uma agência de viagens e atualmente elas possuem uma média de 2 a 3 eventos por mês, sempre partindo de Juiz de Fora/MG.

 

Capitólio/MG


 

São Thomé das Letras


 

O maior objetivo das meninas é mostrar para os amantes de viagens que para viajar e conhecer o mundo não precisa ser rico! Vamos fazer uma avaliação: Quantas vezes gastamos com coisas que não precisamos por puro consumismo? Claro que cada um gasta seu dinheiro como quiser, mas eu, particularmente, acho muito mais válido investir meu dinheiro em experiencias do que em um sapato. Para garantir preços acessíveis, obviamente as hospedagens das viagens organizadas não são em resorts. Mas, pra quem não tem frescura e está aberto a conhecer novas pessoas se hospedando em hostels, é uma excelente pedida viajar com elas! Eu amei!

 

Caso queiram conhecer um pouco mais do trabalho das meninas, sigam as redes sociais do “Um sonho, duas mochilas”:
 
Instagram: @umsonhoduasmochilas

Facebook: Um sonho, duas mochilas

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0

7 romances não clichês para assistir na Netflix

Durante anos alimentei o discurso que eu não gostava de romances, mas, com o tempo, descobri que o problema estava em minhas escolhas, que se restringiam a filmes que passavam na Globo e SBT. Felizmente, hoje é bem mais acessível ter TV por assinatura e, principalmente, existe essa maravilha chamada Netflix para acalentar nossos dias ociosos. Entendo que haverá dias em que a vontade é assistir “O casamento da minha melhor amiga” ou “O Diário de Bridget Jones” pela 1550 vez, mas, quando estiverem procurando romances que fogem um pouquinho do arroz com feijão hollywoodiano, escolham algum dessa singela lista que preparei para vocês:

 

Amor dos meus amores (Amor de mis amores) – Manolo Caro

Adoro uma atriz chamada Rossy de Palma e joguei o nome dela na busca da Netflix para ver o que apareceria. Escolhi “Amor de mis amores” e fiquei positivamente surpresa com essa obra espanhola que conta a história de dois casais que se interessam por outras pessoas às vésperas de se casarem. Mas não é um interessezinho… É no nível “quero essa pessoa loucamente”, vou largar tudo, dane-se o buffet já pago e os convidados! A forma como a história se desenrolou foi bem interessante e fiquei totalmente surpresa com o final. Jurei que terminaria de outra forma e concluí que ultimamente meus palpites amorosos não andam funcionando nem no mundo cinematográfico. Que fase! hahahaha
 

Apenas uma noite (Sólo una noche) – Massy Tadjedin

Descobri esse filme enquanto procurava cineastas mulheres e como adoro essa carinha blasé da Keira Knightley, logo assisti! O romance mostra um jovem casal confrontados pela famosa tentação. O moço se interessa por uma colega de trabalho, enquanto a moça reencontra um antigo caso mal resolvido de um passado não tão distante. O interessante é que o filme retrata apenas 2 dias da vida do casal, mas dada a intensidade dos acontecimentos, parece ser bem mais. Não dá para falar mais que isso sem estragar a experiencia com a obra, mas confiram e me contem o que acharam do desfecho, pois até hoje não defini como me sinto em relação a ele, além de ter ficado confusa sobre o que pode ser considerado traição ou não.
 

Foi apenas um sonho (Revolutionary Road) – Sam Mendes

EU AMO ESSE FILME, talvez até já tenha o indicado em algum outro post. Como a obra reúne a dupla maravilhosa Kate Winslet e Leo DiCaprio, na primeira vez que assisti foi esperando algo na linha do Titanic. Mas não. E à proposito, “Foi apenas um sonho” me agradou muito mais que o famoso filme do navio afundando.  A película conta a história de um casal na década de 1950. Ele trabalhando em um emprego que odeia e ela desejando uma rotina diferente e mais apaixonada para os dois. Trata-se de uma história bem densa, dessa lista é o filme mais dramático e até me questionei se ele realmente seria adequado a essa lista. Mas é sim. E é muito bom.
 

Um amor a cada esquina (She’s Funny That Way) -Peter Bogdanovich

Pra não falarem que só tem filme espanhol na lista, esse está aqui para cumprir a cota de filme americano! É um romance mais voltado para comédia, cujo enredo envolve uma garota de programa que sonha em ser atriz, um casal infiel, um idoso influente apaixonado pela garota de programa e um outro casal que também se relaciona com os outros personagens. Não dá pra falar mais que isso sem estragar a surpresa com o desenrolar da história. A abordagem do filme me lembrou muito algumas cenas de obras do Woody Allen (não as melhores, mas ok). Enfim, é um romance engraçadinho e com um desfecho bacana.
 

Ata-me – Pedro Almodóvar

Esse é o mais controverso dessa lista, mas não poderia deixá-lo de fora pois é o primeiro que me vem a mente quando penso em romances “atípicos”. O personagem principal, interpretado pelo Antonio Banderas, se apaixona por uma atriz e considera uma boa ideia sequestrá-la e mantê-la em cárcere a fim de se conhecerem melhor. Com os dias torna-se difícil mantê-la escondida e o desenrolar da obra é bem louco, não agradando a todos. Inclusive é bem engraçado ler a caixa de comentários da Netflix sobre esse filme. Nem todos estão preparados para meu amado Almodóvar. hahahahaa
 

Inevitável (Inevitable) – Jorge Algora

Sou a louca dos filmes espanhóis e tenho uma predisposição a gostar de todos, mas esse, em especial, eu adorei do início ao fim! É uma obra bem densa, envolvendo paixão, traição, crises existenciais e morte. A trama envolve o protagonista que se envolve com uma amante, sua esposa traída que é terapeuta e se vê confrontada pelos dramas de seus pacientes e um sábio idoso cego que ocasionalmente aconselha o protagonista. Em certo momento as histórias se entrelaçam e nos leva ao clímax e conclusão do filme.
 

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (Annie Hall) – Woody Allen

Esse clássico do Woody Allen é um dos meus preferidos do gênero! Woody interpreta um humorista judeu que se apaixona por Annie Hall (a desde sempre maravilhosa Diane Keaton). Eles decidem morar juntos apesar do pouco tempo de relacionamento, o que gera crises conjugais que nos brinda com diálogos maravilhosos. Apesar de ter sido feito há mais de 40 anos, os diálogos e humor seguem bem atuais. Vale dizer que o filme levou 4 Oscars em 1977 (melhor filme, diretor, roteiro original e atriz principal para Diane Keaton). Assistam antes que a Netflix tire essa pérola do catálogo.
 

E aí? Já conheciam algum desses? Também já rolou por aqui uma lista com 5 comédias românticas reais e sem mimimi. Assistam e me contem!

 

Nota: No momento todos os filmes citados estão no catálogo da Netflix, mas, como vocês sabem, eles constantemente atualizam as obras e retiram muita coisa.

ESCRITO POR

Daniele Fabre

DEIXE UM COMENTÁRIO

0